Total de visualizações de página

terça-feira, 15 de julho de 2014

Capítulo 125: Ciúmes (Se eu não tiver você) – 4ª Temporada, Parte II


As coisas do amor são estranhas, quem vai entender? Hora estamos bem, ora não; e ora brigamos, mas depois ficamos bem de novo tudo porque amamos. Vamos do ridículo ao fofo. O engraçado e que não queremos viver longe dessa montanha russa de altos e baixos. E aprendemos muito com isso tudo.
Hoje pela manhã enquanto eu caminhava pelas ruas com meu noivo, um cara me “comeu” com os olhos de cima a baixo. Eu disfarcei e fiz que não o vi, lógico... Mas de repente me deu uma bobeira e eu comecei a rir.  Ele havia percebido o que o cara fez, e logo tratou de encarar o malandro com a pior das caras que só ele sabia fazer. O “fulano” passou do lado dele, mas ele me afastou pra quase fora da calçado, como se o cara fosse pegar. E eu ri ao achar fofo quanto aos ciúmes dele. Lógico que ele não gostou nem um pouco dessa minha atitude. Olhou-me bravo e disse:
– Você está rindo?  Porque está rindo? Gostou? Não só pode ter gostado né, porque esta aí rindo.
E quanto mais ele falava, mais eu ria, porque era uma mistura de nervoso com achar engraçada a situação.
– Amor o que eu fiz? To rindo d e bobeira, não fiz nada, nem olhei pra ele. – e continuei rindo escondidinho.
– O que você fez? Você quase se jogou pra ele com esse seu sorriso.
E continuou brigando comigo baixinho na rua pra não chamar atenção. Ele é muito discreto, disso não posso reclamar. Às vezes falava um pouco alto, mas era só chamar atenção dele que ele maneirava no tom. Ele estava muito bravo, eu me disse:
– Quer saber vou pra casa, fica você ai, acabou o passeio pra mim.
Eu parando de ri disse:
– Amor para vai, volta aqui, vamos conversar vai. Volta pra perto de mim.
– Não tem conversa, em casa a gente se entende.
E fomos assim, ele bravo na frente caminhando feito soldado a marchar, batendo os pés, com a cara brava  e seus cabelos ao vento da tarde; e eu um pouco mais atrás, o contemplando. Tentando achar uma forma de mostrar pra ele que eu o amava, de pedir desculpas.
Não preciso dizer que ele ficou o dia todo emburrado comigo, não é mesmo? Sentou na frente da TV e não saiu mais, olhos fixos, pensamento longe. O que será que ele pensava? Será que ele batia no malandro? Será que batia em mim? Não, acho que este não. Será que ele se sentia pequeno? Não sei o que ele pensava ou sentia, só sei que ele mal piscava. Eu passei algumas vezes na frente da TV pra ver se o olhar dele se voltava pra mim, para tentar um dialogo, mas ele calado e com os olhos fixo, todo estirado no sofá, não disse absolutamente nada. Sua cara estava péssima, mas seu olhar triste.
Estávamos sós em casa, meus pais estavam viajando. Eu cheguei por traz do sofá e disse:
– Estou indo dormir, você vem?
– Já já eu vou, pode ir.
– Ok, não demora esta tarde, e amanhã você tem exames de rotina.
– Ok, eu sei.
Então eu o chamei:
– Cadu.
Ainda sem me olhar, com os olhos fixos na TV me respondeu  bravinho:
– O que?
– Me desculpe, eu amo você. Boa noite.
E sem olhar para traz, ainda assistindo a TV, ele não me retornou a saudação. Então me virei subi as escadas, por onde a luz da lua, que adentrava pelas janelas do alto, iluminava de azul e sombras escuras meu caminho.
Eu estava me sentindo péssimo também, culpado por rir.
Deitei-me e fiquei esperando por ele.
Ele não se demorou. Desligou a TV e logo subiu atrás de mim.
Eu estava de costas para a parte dele na cama, quando ele entrou no quarto e tirou a roupa pra dormi. Mesmo brigados, dormíamos nus. Acho que isso já era um habito nosso. Eu dei uma espiadela ao virar para traz e admirei aquela bunda linda dele. Todo nu, de costas pra mim. Como eu amava aquela bunda de pelos curtos, delicados, e de textura leve e quentinha.

Ele se deitou ao meu lado, calado, e fixou o olhar no teto.
Eu me virei e encarei o de frente. Ele fechou o olho. E eu continuei ali o olhando, neste momento ergui meu corpo de forma que meu rosto ficasse sobre o dele.
E o perguntei:
– E ai?
Ele deu um sorriso como não se segurasse, e sem abrir os olhos me perguntou:
– E ai o que?
– Vai continuar assim comigo? Já te pedi desculpas.
Então ele apenas abriu os olhos e fitou os meus. Vi seus olhos lacrimejar. E eu o disse assim:
– Poxa amor, fica assim não. Eu te amo muito, não cabe outro na minha vida além de você. Aquele cara, poxa, é um coitado sem respeito algum por nada e ninguém. Mais um destes que leva a vida com uma camisinha no bolso, porque tudo que ele fizer se resumira em cama e sexo. Superficial, não carrega nada em si, a não ser vários prazeres momentâneos, mas isso aqui, que eu e você estamos tendo agora. Isso ele não tem. E isso ele não pode tirar de nós. Deixa-o achar que isso é tudo, a melhor parte temos nós. E sabe qual é a minha melhor parte?
Ele ainda com o olhar fixo em mim, com as sobrancelhas me perguntou “qual?” E eu o respondi:

– Você é a minha melhor parte. E eu quero ser a sua. Porque eu sem você não vivo. Podem me oferecer tudo, mas tudo não significa nada se eu não tiver você. Acredita nisso?
Então ele me abraçou bem forte, chorou, e dizendo que me amava me beijou com tanto amor, que olhar algum, de homem algum na rua, pagaria.
E terminamos a nossa noite num “amorzinho gostoso”, como ele sempre chamava nosso “fazer amor”.




Continua no próximo Capítulo...

Som Tema deste Post
If I Ain't Got You - Alícia Keys
(tradução no próprio Clip)

Abraço a todos...





BY ME S2 (S-FCSP)

Atenção.... torne-se agora mesmo um seguidor deste blog e fique por dentro de todas as novidades e posts.
Clique Aqui

OBS:
        Se você quer seguir este BLOG e não quer ser identificado e nem quer que ninguém saiba que você segue basta clicar na opção "SEGUIR ANONIMAMENTE".
        Agora, se você não tem problemas em seguir abertamente este BLOG... è só clicar na Opção "SEGUIR PUBLICAMENTE".

9 comentários:

  1. Amo essa história, conheci o blog recentemente e me apaixonei. Mas deveria ter mais posts sobre essa história :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. terá, só q estou me revezando entre o livro, aqui e meu trabalho, peço desculpas,mas o cap 3 ta chegando

      Excluir
  2. Venham conhecer minha história http://contosdeleu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Grande estória! os relacionamentos são feitos disto, dos momentos de acordo, dos momentos de desacordos, é um profundo exercicio de maturidade exercitar isto! parabens a vc e aos seu namorado!

    ResponderExcluir
  4. Outro dia aconteceu uma situação bem parecida com um vendedor de loja. Estava sozinho e fiz uma compra. Ao tentar pegar a sacola ele recuou a mão e estendeu a outra. Achei que ele apenas queria apertar, logo ofereci a minha mão. Mas de surpresa ele puxou minha mão até sua boca na tentativa de dar um beijo, mas retirei rapidamente, antes que acontecesse. Ele ainda sorriu e entregou a bolsa. Meu namorado assistiu tudo da vitrine.. e foi uma briga só!!!
    Criei um blog também.. está no começo, posso divulgar o link?
    http://maisumbloggay.wordpress.com/
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Linda história aliás todas lindas extraordinariamente emocionantes espero poder ler mas logo logo

    ResponderExcluir

Gostou do Post? VOTE e ajude-nos a manter o BLOG no TOP GLS!